As incríveis peripécias de nossas vidas medíocres!


Criado mudo
7 de junho de 2009, 21:52
Filed under: Família, filho, Gracinhas, Rir é o melhor remédio | Tags: , , , , ,

Esses dias, minha mãe foi comigo buscar o Yuri na escola. Já no carro ela perguntou:

– E aí, Yuri? Como foi seu dia hoje?

– Ai, vó, que saco! Porque você fica perguntando tudo? Enchendo o meu saco?!

– Nossa Yuri! Não precisa ser grosso!

– Mas tudo você quer saber, fica falando sem parar, só enche o meu saco!

– Credo Yuri! Isso é jeito de falar com a sua avó? Ela só quer saber como foi o seu dia!

– Não, Amanda, deixa. Ele anda assim mesmo…A gente tem que servir o mocinho, na hora que ele quer, mas não pode falar nada!

– Ah! Tá, tipo criado mudo mesmo, né Yuri?!

Anúncios


Você dorme de dia?
28 de maio de 2009, 15:54
Filed under: cultura, Família, Lembranças, Uncategorized | Tags: , , , , , , ,

Minha avó é uma fofa! Ela é, com certeza, uma das pessoas que eu mais amo no mundo. Disputa o primeiro lugar com meu filho, meu marido, minha mãe e minha Tia Beth. Gosto muito, muito mesmo, de todos eles!

Minha mãe, minha avó e minha tia Beth são MUUUUUITO importantes pra mim, porque foram elas que me educaram e me suportaram – em todos os sentidos da palavra – a vida inteira.

Há mais ou menos um ano atrás, minha avó, com mais de 90 anos, veio com a minha tia Beth me visitar aqui em BH. É muuuito longe. Cansa muito, mesmo de avião, ainda mais quando se tem mais de 90 anos de idade!

Enfim, ela ficou exausta e acabou tirando um cochilo a tarde.

Até ai tudo bem, pelo menos para qualquer pessoa normal. Mas, acontece que, na minha família, dormir de dia é quase que um sacrilégio. E, adivinha quem instituiu isso? D. Ruth, minha querida avozinha que, há algum tempo, anda bem esquecida das coisas mais recentes.

Logo que ela acordou, arrumou os pentinhos que seguram seu cabelo e me perguntou:

– Você dorme de dia?

Respondi que não – não sou nem louca de dizer que sim.

– Eu também, nunca dormi de dia.

Passaram-se 5 minutos e ela:

– Você não dorme de dia?

– Não.

– Eu também, nunca dormi de dia.

Acho que ela estava afim de dormir de novo, estava cansada, exausta, mas não podia “entregar os pontos”. Então quando ela perguntou de novo eu decidi mudar a resposta, pra ver se ela mudava a dela também.

– Você dorme de dia?

– As vezes, quando eu estou muito cansada, eu durmo de dia. E você? Dorme de dia?

– Eu não!

– Por quê?

– Ah! Eu não gosto, sinto que estou perdendo tempo. Só gente a toa dorme de dia. Eu não durmo de dia. Nunca dormi!

Isso virou uma brincadeira entre nós, aqui em casa, que ainda temos dificuldade para dormir de dia.

Fico contente por minha avó poder dormir de dia sem culpa, mas fico triste por ela nunca ter se permitido isso.

Fico triste por ela estar perdendo a memória, mas fico contente por ela poder se reinventar a cada minuto.

Vó: sigo seus passos e aprendo com a senhora todos os dias, mesmo a distância.

Por isso mesmo eu aprendi que, as vezes, é MUUUUITO bom dormir de dia. E você, que “perde” seu tempo precioso lendo este texto, dorme de dia?



Sem pilha é leve

Há uns 13 anos atrás, minha avó, que hoje tem 93 anos, comçou a ficar surda.

O mais interessante, foi como eu descobri que isso estava acontecendo.

Estávamos nós, eu e ela, “seguindo” a novela das 6.

Tirei as pilhas do controle da TV e disse:

– Nossa, vó! Sem pilha é leve!

E ela, na maior naturalidade, perguntou:

– Filha de quem que é lésbica?



Polícia para quem precisa de polícia!
11 de fevereiro de 2009, 21:32
Filed under: Família, Lembranças | Tags: , , , , , ,

Certa vez, estávamos viajando de carro com minha tia: eu, minha mãe e minha avó.  De repente, um ônibus veio a toda e deu a MAIOR fechada na minha tia. Ela, indignada, ultrapassou o ônibus fazendo um gesto obsceno para o motorista.

O motorista, que ficou P. da vida, parou no posto policial e delatou minha tia alegando que aquilo era um ultraje, afinal, todos os passageiros haviam visto aquele gesto TÃO obsceno.

Quando minha tia passou pelo posto policial, foi parada:

-Boa tarde, os documentos, por favor.

Ela apresentou os documentos.

-Dona E. este motorista alega que a senhora fez um gesto obsceno para ele, procede?

Ela, muito esperta, respondeu:

-Eu?! Que gesto eu teria feito para este senhor? – esperando que o policial repetisse o gesto.

Porém, o Policial, mais esperto ainda respondeu:

-Segundo ele, a senhora uniu o indicador ao polegar.